Apresentação Apresentação Contato Contato Home Page Home
Estatuto Regimento Patronos Fotos e Fatos
Brasil - São Paulo - SP
 



Visitas desde 09/02/2007:


Diretoria Pro-Tempore




“NON OMNIS MORIAR”
Não morrerei por inteiro!

O aforismo idealizado para representar o sentido e pensamento da Academia Paulista de Medicina Veterinária – APAMVET será o seguinte: “non omnis moriar”, cujo significado na última flor do Lácio, como Olavo Bilac – “o Príncipe dos Poetas Brasileiros” denominou o idioma português é “não morrerei por inteiro”.

Com essas orgulhosas palavras Horácio concluiu sua Coletânea de Odes, no ano 20 d.C. certo de que sua obra lhe granjearia a imortalidade poética. A frase, ainda é famosa e citada para representar “status” de notoriedade imorredoura entre poetas e intelectuais de todos os tempos: o de uma obra superar, por sua fama, os limites, aparentemente, intransponíveis da morte de seu autor.

Por extensão esse apotegma, também, tem sido aplicado a quem conquistou notoriedade digna da imortalidade, por outro feito notável – não necessariamente de caráter poético e literário – ou mesmo, banalmente mortal, a propósito da lembrança que alguém ilustre deixou após sua morte.

E-mail.: [email protected]
© APAMVET - 2008
Academia Paulista de Medicina Veterinária
Todos os direitos reservados. all rights reserved
[email protected]
Assuntos Profissionais




A fraude da carne é pontual, mas provoca suspensão de exportações.

"Para especialista, os efeitos da Operação Carne Fraca são passageiros. Brasil é líder mundial na exportação de carnes..."

03 de abril de 2017 as 21h50


Os jornais cotidianos do Estado de São Paulo - O Estado de São Paulo e a Folha de São Paulo divulgaram noticia alarmante para a Classe Veterinária. Noticia sombria para o exercício de atividades clinicas no atendimento de equinos, particularmente, os de raça Puro Sangue Inglês destinados às corridas nos hipódromos. A notícia é tão sombria como a pesada e cinzenta imagem de uma das ilustrações do segundo artigo!

A notícia é deveras triste para quem, mesmo não sendo especialista na área, acompanha as atividades dos ilustres Médicos Veterinários do Jockey Clube de São Paulo, desde a década de 50 do século passado, quando acompanhava o irmão e o ajudava na preparação de alguns cavalos que possuía e que corriam no Hipódromo de São Vicente e menos no de Cidade Jardim na Capital. Além do mais, participava como Associado e Presidente da Sociedade Paulista de Medicina Veterinária nos eventos e páreos, que no dia nove de setembro homenageavam o dia do Médico Veterinário ou de ilustres colegas que atuavam e tinham se destacado em atividades hípicas. Seguramente, as dificuldades sociais, éticas, políticas e econômicas que assolam nosso País, sempre tiveram e têm forte repercussão sobre as atividades profissionais de vários setores da Medicina Veterinária. É chegada a hora e a vez da criação, treinamento e, principalmente, atendimento clinico dos equídeos: manutenção da saúde e do estado físico dos animais, como também da recuperação da saúde - no caso dos acidentes do esporte ou pelo acometimento das inúmeras enfermidades.

Creio que a situação exige pronta e ativa participação da Comunidade Veterinária do Estado de São Paulo - através das entidades representativas desta nobre profissão, apoiando os setores com maiores dificuldades. Pois, se não tomarmos as decisões que se fazem necessária, os problemas tenderão a uma generalização. As falhas e dificuldades que ora aparecem e são, atualmente, divulgadas na mídia, repercutirão sobre o exercício dos profissionais especializados - dedicados à criação e treinamento dos animais e, de forma mais evidente, no atendimento clinico dos espécimes com a saúde abalada ou em recuperação pós-traumática.

Para complementar e elucidar as afirmações deste introito, recomendamos a leitura de dois textos recentemente divulgados Em dois periódicos impressos na cidade de São Paulo: "O Estado de São Paulo" e "A folha de São Paulo". Abram no link: "Crise deixa Jockey sem páreo pela primeira vez", no texto além desse artigo de autoria de Edson Veiga, haverá abertura do texto de autoria de Nicolas Iory: "Sem pagar donos de cavalos, Jockey de SP perde animais para clubes do Rio e RS".

"Crise deixa Jockey sem páreo pela primeira vez"

29 de março de 2016 as 21h50


O Conselho Regional de Medicina Veterinária intensifica suas ações no controle do Mormo no Rio Grande do Sul: Na segunda edição do Workshop Mormo: Diagnóstico e Providências, será destacada uma nova rodada de apresentações sobre diagnóstico clínico, laboratorial, baseado em 46.000 provas realizadas.

Além do mais o CRMV-RS realizará o III-Workshop Mormo: Diagnóstico e Providências – Dia 10 de novembro p.f. em Alegrete/RS.

leia mais... clique aqui

04 de novembro de 2015 as 19h50


A imprecisão das informações apresentadas nos medicamentos específicos para o tratamento das mamites dos bovinos tem dificultado sobremaneira o controle da enfermidade dos animais dos rebanhos leiteiros. A falha de informação não permite o estabelecimento de protocolos de prevenção e controle dos processos inflamatórios da mama, bem como ao não informarem os períodos de carência, isto é, o tempo em que o leite não poderá ser utilizado como alimento pela população, pois a presença residual de antibiótico no leite representaria grave problema de saúde publica.

leia a matéria publicada na edição 110, de 25 de junho de 2015 do SNANEWS - da Sociedade Nacional da Agricultura - Link anexado

07 de julho de 2015 as 18h30


O Informativo Online nº 678 do CRMV – RS do período de 3 a 9 de junho de 2015 notificou a identificação do primeiro caso de Mormo no estado do Rio Grande do Sul. O caso foi identificado no município de Rolante/RS na primeira semana de junho do presente ano. A origem da zoonose ainda não foi identificada, mas por precaução, a Secretaria da Agricultura e Pecuária do Estado seis áreas rurais serão interditadas, sendo os animais das seis propriedades examinados, possivelmente serão 50 equinos. O médico veterinário, responsável pelo Programa de Sanidade Equina da Secretaria, destacou que: a medida será de “impedir qualquer movimentação de animais que possam estar contaminados”.

Veja noticia integral do Informativo “Online” do CRMV-RS

15 de junho de 2015 as 21h30


A equideocultura brasileira permanece em dificuldade por motivos de Sanidade! As causas continuam sendo as doenças infecciosas que impede a expoirtação de animais: a Anemia Infecciosa dos Equinos e o Mormo!

clique aqui para ler mais...

29 de março de 2015 as 20h30


O CFMV ressaltou a importância da presença de médico veterinário nas Missões Técnicas do Brasil a outros países para conhecer práticas do setor agropecuário: “pois ele é o profissional capacitado para acompanhar o trabalho desenvolvido no exterior e colaborar para a melhor aplicação dos conhecimentos aqui no país”. Assim sendo, o Conselho viu com preocupação a informação publicada no DOU do dia 25-03-2015 sobre a Missão Técnica organizada pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR) em áreas de ovinocultura, bovinocultura de leite e de corte na Austrália e em Nova Zelândia, em abril. Na oportunidade o representante do Ministério da Agricultura na visita técnica foi um técnico formado em Odontologia - chefe da Assessoria de Gestão Estratégica do MAPA.

Da mesma forma que o CFMV contesta decisões de Órgãos públicos, enaltece decisões consideradas favoráveis ao exercício profissional dos Veterinários, assim sendo apoiou a proposta do MARA de modificação do sistema na fiscalização e inspeção dos frigoríficos, pois segundo o presidente do Conselho o número de médicos veterinários no Ministério da Agricultura é insuficiente para atender a demanda de registro de novas empresas. O tema foi apresentado, no dia 19-03-2015, pela ministra durante audiência na Comissão de Agricultura e Reforma Agrária do Senado.

clique aqui para ler as noticias integrais

29 de março de 2015 as 20h30


A buiatria brasileira chega a França, na reportagem publicada na Revista "La Semaine Vétérinaire nº 1.620 de 06-03-2015.

Nas informações além das especificações da Cidade de Garanhuns detalha as atividades de mais de 35 anos da 'Clinica de Bovinos de Garanhuns" - órgão da Universidade Federal Rural de Pernambuco - UFRPE. Instituição modelo criada pelo empen ho de ilustres Professores:Silvio Camerino Paes Barreto; Fernando Moreira e Luiz de Melo Amorim, com a colaboração de ilustres Mestres da Escola Superior de Veterinária de Hannover. Atualmente, conduzida com galhardia pelo Dr. Nivaldo de Azevêdo Costa e sua diligente Equipe.

Clique e veja a reportagem

29 de março de 2015 as 20h30


O CFMV criou e divulgou as diretrizes pelas boas práticas veterinárias em estabelecimentos de exposição e comercialização de animais [12 de janeiro de 2015]. Na elaboração dessas diretrizes considerou que a exposição, a manutenção, a venda e a doação de animais em estabelecimentos comerciais são práticas comuns no Brasil. Assim sendo o Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV) decidiu estabelecer princípios e normas que garantam a segurança, a saúde e o bem-estar dos animais que estiverem sob o cuidado de pet shops, parques de exposição e feiras agropecuárias. O objetivo é garantir que os serviços sejam prestados de acordo com as boas práticas veterinárias.

vejam as recomendações apresentadas no informativo eletrônico – CFMV-Informa e na Resolução 1069/2014, clique aqui...

Resolução n° 1069, de 27 de outubro de 2014

27 de janeiro de 2015 as 21h30


Paleontologia Veterinária é, seguramente, uma especialidade pouco desenvolvida nas ciências veterinárias e não estudada pelos profissionais da área. Entretanto, existem trabalhos básicos e de aplicação que são esmiuçados pelos cientistas e, as notícias, com grande frequência difundida pela mídia, principalmente por jornais de grande circulação e conceituados entre os leitores. Para deleite e ilustração dos visitadores da pagina eletrônica www.apamvet.com, aproveitamos para apresentar duas noticias sobre fósseis de equídeos. A intenção é a de difundir a raridade de encontros de fósseis, que serviram para estudar a extinção de raças primitivas, demonstrando que as raças extintas de cavalos na linhagem evolutiva que deu origem aos equinos modernos tiveram de 4 milhões e 4,5 milhões de anos. Além do mais, a descoberta desses fósseis podem demonstrar a preservação de fosseis de éguas no final de gestação perfeitamente conservados.

Aproveitem e vejam os dois artigos de divulgação científica que recentemente foram apresentados em edições do Jornal “o Estado de S. Paulo”

DNA fóssil reconta origem dos cavalos, clique aqui...

Fóssil de égua é achado com potro no útero, clique aqui...

29 de outubro de 2014 às 15h42


23 de outubro de 2014 – Em seu 46º aniversário, o Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV) decidiu elencar as 46 principais iniciativas e conquistas ao longo de toda a sua história.

Muitos dos links apresentados abrem facilmente no texto que enviei para mim mesmo.

Atenciosamente
Birgel

Leia mais, clique aqui...

29 de outubro de 2014 às 15h42


Um fato histórico destacável na futura publicação da APAMVET “A fabulosa Animalia”, com as reminiscências e recordações do desenvolvimento de nossa nobre profissão no Estado de São Paulo será acontecimentos relacionados aos pioneiros matadouros da cidade de São Paulo. Na pesquisa realizada uma manifestação por sua excelência chamou a nossa atenção: “O Surgimento dos Matadouros-Frigoríficos no Brasil do Início do Século XX” de autoria do ilustre colega Professor Doutor Pedro Eduardo de Felício da Faculdade de Engenharia de Alimentos da UNICAMP. Leia mais, clique aqui...

09 de agosto de 2014 às 15h42


O Informativo nº 335 de 27 de julho de 2014 do CFMV apresentou para a comunidade Veterinária de nosso País duas noticias de fundamental importância para aqueles que labutam cotidianamente no exercício de nossa profissão.

A primeira refere-se à necessidade de se ter informações precisas da constituição e formulação de uso de medicamentos e drogas registradas no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento [Mapa]. Tal providência atende também à Carta do Ministério aos Veterinários Brasileiros para utilizarem apenas produtos de boa procedência e registrados no Ministério. A carta pode ser visualizada clicando aqui.

A segunda faz referência ao lançamento do Dicionário de Termos usuais nas Atividades Pecuárias de criação e Produção Animal de autoria do médico veterinário e conselheiro do Conselho Regional de Medicina Veterinária da Bahia (CRMV-BA), Geraldo Cézar de Vinhaes Torres membro da Academia Brasileira de Medicina Veterinária (Abramvet) e professor aposentado da Escola de Medicina Veterinária, da Universidade Federal da Bahia (UFPB).

27 de julho de 2014 às 20h42


O boletim informativo do DFMV comunicou à comunidade Veterinária Brasileira a eleição da nova Diretoria do Conselho Regional de Medicina Veterinária no Estado do Rio de Janeiro – CRMV-RJ. A Diretoria 1914-1917 será conduzida por uma plêiade de excelentes gestores dos assuntos pertinentes à nossa nobre Profissão: Presidente MV Cícero Araújo Pitombo; Vice-presidente MV Marcelo Hauaji de Sá Pacheco; Secretário-geral MV Irineu Machado Benevides Filho; Tesoureiro MV Sergio Henrique Emerick. Essa gestão terá início em 23 de setembro de 2014. -----> Leia mais, clique aqui...

22 de junho de 2014 às 22h42


Nota da Assessoria de Comunicação do CFMV, publicada no Informativo do CFMV nº 328 – de seis de junho de 2014 apresenta a manifestação da Presidência contra a proibição de antiparasitários com avermectinas para uso veterinário. A declaração com posição contrária à proibição para o uso veterinário das avermectinas de longa duração, ou seja, produtos antiparasitários que permanecem no organismo dos animais por mais de 42 dias.

A restrição foi firmada em instrução normativa do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), proibindo a fabricação, comercialização, o fracionamento e a importação desses produtos. Destaca-se a existência de inúmeras outras drogas de uso Veterinário que trazem repercussões negativas não somente para a produção da carne produzida no país, mas principalmente para a saúde humana.

A respeito do tema o Conselho Federal já fez algumas recomendações ao Mapa, dentre as quais duas devem ser destacadas:

1ª. o estabelecimento pelo Mapa de regras para a aplicação de receituário veterinário e;

2ª. a fiscalização dos produtos de uso Veterinário comercializados de forma indiscriminada, com venda direta aos pecuaristas – com resultados deletérios à saúde das populações e impedindo a exportação de carne e leite, bem como produtos de origem animal industrializados.

Talvez esse seja o momento de reincitar a campanha da exigência do receituário veterinário para estabelecer normas que evitem a comercialização indevida de produtos de uso Veterinário, estabelecendo necessário controle do uso desses produtos no Brasil.

-----> Leia mais, clique aqui...

15 de junho de 2014 às 18h42


A carne brasileira e sua exportação para a UE.

Mensagem eletrônica do Acadêmico Eduardo Harry Birgel Presidente “pro tempore” da APAMVET

ONIX LORENZONI na Comissão de Agricultura da Camara Federal



 
Home | Apresentação | Administração | Eventos | Academicos | A Profissão | Academia Brasileira | Publicações | Contato